Ademar Miler Júnior foi o primeiro surdo a defender uma tese de mestrado na Universidade Federal do Espírito Santo. Ele também foi o primeiro surdo a se formar no curso de Pedagogia e a exercer a função de professor substituto da UFES. Ademar falou sobre suas perspectivas para o futuro:

“Eu penso que, no futuro, eu quero continuar trabalhando. Eu quero continuar pesquisando, crescendo academicamente. Eu quero fazer doutorado e isso é um projeto de vida. Ver o curso de Letras LIBRAS crescer, novos professores entrarem na universidade. São projetos que a universidade precisa, ela precisa abrir esse lugar, esse espaço, pensar a cultura surda, pensar a comunidade surda, olhar para as crianças, para os surdos que vão entrar e ver esse crescimento futuro.”

Valquíria e a família são muito unidos. Acompanhamos um passeio deles no Jardim zoológico do Rio de Janeiro. Valquíria é surda e os irmãos e sobrinhos dela são ouvintes. Ela falou sobre a relação com a família:

“Com a minha irmã mais velha, eu sempre tive bastante contato com ela. A gente saia bastante junto, ela sempre teve bastante carinho comigo. E com o meu irmão mais novo tinha aquela questão de cuidar. Eu sempre provoquei, a gente já brigou bastante também, mas agora a gente está adulto. Nós três sempre fomos bastante unidos.”

Nossa equipe visitou a Associação de Surdos de Cuba para saber como ela atua e também aprender sobre a língua de sinais cubana. Rafael Seijo, presidente da ANSOC, falou sobre os objetivos da associação:

“Nosso trabalho social significa, em termos da assistência social, dar assistência aos membros com deficiência – neste caso, os membros surdos – que queiram ser esportistas, que queiram resolver problemas na educação. Nós trabalhamos também com pessoas ouvintes que tenham interesse nos cursos de língua de sinais. Pois os surdos estão na rua e a comunidade de ouvintes não sabe a Língua de Sinais.”

E ainda, no quadro Eu sou Fã do Programa Especial, o depoimento de um dos fundadores da URECE Esporte e Cultura, Gabriel Mayr.

0
0
0
s2sdefault