PROGRAMA ESPECIAL

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho normal da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte
  • layout default 
  • layout default daltonismo 
  • layout default contraste
Home Blog Mercado de Trabalho

Mercado de Trabalho

Envie este artigo para um amigo Imprimir PDF

 

Mulher no corredor de uma farmácia coloca produto na prateleira.

 

Nosso repórter Zé Luiz Pacheco conversou com Larissa dos Santos, que tem síndrome de Asperger, sobre o trabalho dela como auxiliar administrativa em um restaurante de comida japonesa. Larissa falou sobre os benefícios de ter um emprego:

“Aprendi rápido e comecei a trabalhar normalmente. Assim eu não fico parada em casa e ganho meu próprio dinheiro, sem ter que pedir para os meus pais. Torno-me independente, não preciso ficar pedindo aos meus pais o tempo todo. Você se torna independente e tem uma vida melhor para poder fazer tudo com as suas próprias mãos”.

Fernanda Honorato bateu um papo com Caio Rubens de Carvalho, que é engenheiro e tem deficiência física. Ele aconselhou às pessoas escolherem a profissão que gostam:

“Se a pessoa quiser ser engenheira, ela tem que ter certeza absoluta que gosta da profissão, porque, quando a gente gosta da profissão, a gente faz sem esforço. Então, todas as dificuldades que vierem a aparecer, ele vai saber superar, porque pode ser médico, engenheiro, qualquer profissão, ele precisa gostar, em primeiro lugar, e encarar os desafios para superá-los, porque o que importa na sua profissão é o conhecimento que você tem e saber executar as suas tarefas, de forma responsável e com competência”.

Nossa equipe conheceu o Programa Iluminar, no Rio de Janeiro, que contribui para a inclusão de jovens com deficiência intelectual no mercado de trabalho. O programa é destinado a pessoas a partir de 18 anos, que frequentam a escola. Cláudia Vieira, coordenadora do Programa, disse quais são os benefícios do projeto:

“A gente costuma ilustrar que para a empresa o ambiente fica mais humanizado por essa convivência e a mudança de olhar que isso gera nas pessoas, a partir do momento que elas veem que uma pessoa com deficiência intelectual é capaz de produzir, é capaz de dar a sua contribuição no dia a dia e efetivamente se tornar uma pessoa produtiva”.

Adriana Ungerer trabalha no suporte operacional de uma farmácia e tem síndrome de Down. Esse é o primeiro emprego dela:

“Eu gosto de trabalhar. Eu gosto muito de arrumar prateleiras. Eu ganho o meu dinheiro para comprar as minhas comprinhas do salário. Eu adoro as minhas colegas”.

Joomla Templates and Joomla Extensions by ZooTemplate.Com
 

Adicionar comentário



Programa Especial

O Programa Especial é totalmente dedicado à inclusão das pessoas com deficiência. Todo sábado às 10h30min você pode acompanhar reportagens positivas, otimistas, descontraídas e acessíveis a todos. Para isso, o Programa conta com janela de LIBRAS, legenda e audiodescrição. Seja muito bem-vindo!